quarta-feira, janeiro 14, 2004

Tarrasch (2)

Continuando a análise das partidas de Tarrasch, descubro a força da clareza do raciocínio. Força essa que, aliada a uma enorme auto-estima, possibilitou uma revolução no pequeno mas difícil mundo do Xadrez. Nota-se a sua influência nos maiores jogadores do século XX. O livro-X favorito de Kasparov é este mesmo, 300 Partidas de Xadrez de Siegbert Tarrasch.

É curioso notar que tão importante obra só tenha sido traduzida para inglês no ano 2000. Existia apenas a versão original (em alemão) e uma tradução para o russo. Está explicada a supremacia destes dois países no Xadrez mundial, a Alemanha nas primeiras décadas do século XX e a da Rússia (URSS) desde os anos 40.

E o Fischer?, perguntará o Pacheco Pereira. Esse aprendeu alemão, russo e servo-croata para que lhe não escapassem as nuances das análises originais e, mais tarde, por paranóia, com medo da conspiração soviética...

Sem comentários: