terça-feira, janeiro 13, 2004

Tarrasch

Ontem (hoje para os puristas) dediquei duas horas à análise das partidas de Siegbert Tarrasch, grande xadrezista alemão, activo desde final do século XIX até à Grande Guerra. No sossego de Leiria, entre a meia noite e as duas da manhã.

A estética do raciocínio, o sublimar da mente humana, em suma, o Xadrez e a pena que tenho por serem tão poucos os que o conhecem, e desses, os que o compreendem.

"O Xadrez, como a música, como o amor, tem o poder de fazer os homens felizes." Siegbert Tarrasch

Sem comentários: