terça-feira, março 09, 2004

Café

Ontem de manhã apercebi-me que o café que bebia exalava um agradável cheiro. Um aroma formidável, despoletador de inúmeras sensações de requintado prazer. Ocorreu-me que talvez haja mais no café que a cafeína.

Mais tarde, prestes a beber outro café, lá ia lançado, pronto para sorver de um trago o negro líquido, quando me lembrei: Calma, minha besta! E lá cheirei o café, bebendo-o de seguida em pequenos tragos. E transformei aquilo que era uma injecção de cafeína num acto de gozo, dos que dividem o dia em dois.

Sem comentários: