sábado, julho 10, 2004

Acção

Urge agora combater! Já passa da meia noite e ainda não ouvi tiros! Nem sirenes da polícia. Não me cheira ainda a fumo de borracha queimada, sinal que nas redondezas ainda não ardem carros.

Onde está o exército? Onde estão os milicianos? Ainda os temos! Venham daí! Liguei o aparelho de rádio, a pilhas, sintonizado no RCP, aguardo a "Grândola". A esta hora a malta já deve estar a postos, em Santarém.

Mas não podemos esperar só pelos capitães! Há que alargar a frente de combate! Os trabalhadores da Carris terão um papel determinante: basta que interrompam por uns dias a greve que dura há 48 anos de forma contínua e bastará para inundar a Capital com uma inesperada avalanche de autocarros! Ficará completamente entupida! Parará o Terreiro do Paço!

Que os taxistas abandonem o aeroporto da Portela e que vão para as ruas de Lisboa! Será o bastante para bloquear a A1 até à área de serviço da Mealhada!


Precisamos da vossa ajuda!

2 comentários:

Walter Tarira disse...

A oposição traz concórdia e da discórdia nasce a mais bela harmonia. Os despertos têm um mundo em comum enquanto os adormecidos cada um possui o seu próprio mundo privado. Podemos e devemos aprender com toda a gente. Há coisas da seriedade de vida que podemos aprender com charlatães e bandidos, há filosofias que nos ministram os estúpidos, há lições de firmeza e de lei que vêm no acaso e não são do acaso. Tudo está em tudo pois todos nós, homens, casas, pedras e céu, somos uma grande multidão amiga, acotovelando-se de palavras na grande procissão do Destino.
Não há dúvida que o desconhecido reserva-nos as mais inconcebíveis experiências.

Walter Tarira disse...

Ter um gato será sinónimo de homossexualidade consumada? Um gato é como um cão porém em versão (*), lava-se com a sua própria língua, come peixe e nunca se embebeda. Pode-se dizer que o homem que vive só com um gato na sua casa, vive numa profunda relação gay. Senão vejamos:
Um cachorro chama-se com dignidade masculina, "Vem cá, savimbi" ou "sai daqui meu sacana", porém a um gato... "Bsss-bsss-bsss, kiti kiti kiti, vem cá bichaninho, meu gatinho lindo".
Quem é ele? Quem é ele? O seu nome (entenda-se dele!) começa por um “P” e o apelido por outro “P”. Eleve P ao quadrado e introduza o resultado dentro do parêntesis onde se encontra o asterisco. Acertou? Claro; você é bom em matemática mas não tem gato!