segunda-feira, dezembro 20, 2004

Humores (3)

A relação directa que tem o humor com a inteligência torna o tema por vezes embaraçoso. De tal forma que, no tal debate televisivo da passada semana, todos se engasgaram quando se falou da grande cisão de "humores". Não se trata de novo humor nem de velho humor. Trata-se da grande e intransponível barreira cultural e intelectual. A alguns, aos da revista e do "eles querem todos é poleiro", está para sempre vedada a compreensão de formas de humor mais avançadas, mais puras, limpas do folclore trauliteiro e boçal do piscar de olho revisteiro. Piscar de olho que também é de Solnado e de Nicolau.

O humor do Gato Fedorento não só é bastante diferente do "outro" humor, como lhe é diametralmente oposto. Parodia muitas vezes os Solnados e os que se riem dos Solnados. Daí o constrangimento de Ricardo Araújo Pereira quando confrontado com a pergunta: "Como se sente no meio destes monstros da comédia?". Seria pergunta matreira não fosse a manifesta ignorância de quem perguntou, Fátima Campos, em matérias de humor. Coisas de quem se leva demasiado a sério.

Tal como a esmagadora maioria dos espectadores televisivos, Fátima não conhece ou não compreende o excerto da rábula "O homem a quem parece que aconteceu não sei o quê". Para ela, o entendimento da rábula resume-se ao directo "Eles falam e não dizem nada" como paródia parquemayerense da suposta e muito gasta vacuídade dos políticos. No fundo, essa paródia directa quase desresponsabiliza na totalidade aquilo que retrata, banalizando a tal ineficiência, colmatada com o piscar de olho cúmplice e solnadesco de quem encolhe os ombros resignado. Não se aborrecem pela incompetência de quem os governa, aborrecem-se por não saberem como o fazem e porque o fazem os políticos.

Quem o Gato Fedorento retrata no anúncio do Montepio é um tipo que se ri com Solnado. Que lhe achará, seguramente, muita graça. E nós, que sabemos o que são blogues, ao contrário de Nicolau, riríamos, não fossem tão trágicas as suas figuras, deles: De Solnado e de Nicolau.

10 comentários:

Francisco disse...

Acho que a maior parte da malta percebeu que a tirada do "falam, falam e não dizem nada" é a gozar com o povão e não com os políticos. Tanto é assim que o gajo está a falar vestido de "gajo comum".

Nos blogues também há quem escreva, escreva, mas não diga nada.

Cláudio disse...

Não compreendi, Francisco. O povo deveria refilar com os políticos vestido de político? De fato e gravata? Não compreendi.

Francisco disse...

Eu acho que pessoas percebem que o alvo não são os políticos mas as pessoas comuns.

Anónimo disse...

Acho que mais importante do algumas tricas....
O que se refere o autor é de uma total e manifesta ignorancia social do tema, mas pior, é a jactancia popular em que o humor está inserido.
Helder Lucas

GoG disse...

q exagero... aliás, o humor de solnado e nicolau teve o seu tempo, a sua época... nada perdura, assim como nada q anda perdura... há q mostrar respeito por aqueles que passaram e se esforçaram por fazer rir um país triste, e dar lugar aos fedorentos de agora, cujo sentido de humor é tb por vezes fedorento e triste... sinais dos tempos...

Leonor disse...

Constrange-me ver o Solnado a tentar fazer humor, com as suas costumeiras paragens verbais no meio das frases, apesar de já sabermos como ele as vai concluir. Apesar disso sinto carinho pelo Solnado, a quem um país deu tanta importância durante tantos anos, fazendo rir "a bandeiras despregadas", penso que é assim que se diz, a esmagadora maioria da população portuguesa pouco alfabetizada devido à dureza da vida imposta por condições adversas. Para um homem que tanto reconhecimento obteve pelo seu trabalho e desempenho, deve ser difícil aceitar que já ninguém se ri do que ele diz, porque foi ultrapassado pelos "Malucos do Riso" e as piadas sobre maminhas de fora e o telemóvel a fazer volume no bolso das calças dos homens, são superiores à rábula da "guerra", agora atiras tu e depois atiro eu.
O Solnado teve o seu valor como artísta e continua a ter valor como pessoa, certamente. Porém, para o humor de intervenção social,que vai buscar os tiques, as frases feitas de ocasião que são ditas por tantos e nunca corrigidas, o humor de aprefeiçoamento social, que movimenta o intelecto, esse, o Solnado ´não consegue fazer. E ainda bem que que outros conseguem.

Relativamente ao Nicolau, não tenho opinião idêntica. Nunca lhe reconheci valor como actor cómico, terá mérito por ter desenvolvido a industria de novelas em Portugal, dando trabalho a muitas pessoas desempregadas que nada sabiam fazer e a a outros, menos, com talento, mas sem dinheiro para investir nas suas carreiras.

No que se refere à Fátima Campos, tem o perfil de apresentadora "chata" que se leva demasiado a sério, por isso, não deve arranjar tempo para ver o que é o Gato Fedorento, quem faz parte do elenco e que tipo de humor faz. A Sra. acha certamente que o Gato Fedorento é Stand Up Comedy e que todos os que participam no Levanta-te e Ri fazem parte do Gato fedorento, com o Bruno Nogueira à cabeça, claro.
A Fátima Campos não tem tempo a perder com o humor. Rir, para ela, deve ser uma perda de tempo.
Desculpem se me "estico" sempre no verbo.

mfc disse...

Aproveito para te desejar um grande Natal na companhia de todos e obrigado por tudo.
Para a semana cá nos encontramos.

Anónimo disse...

Tive uns dias fora dos blogues por motivos pessoais, mas mto me apraz que aqui se respira e vive sempre com mta atenção. Não há descanso!!
Solnado e Nicolau, na minha mto humilde opinião, nunca fizeram humor. Tentaram, mas não passou disso mesmo!!
O humor dos "Gatos" é inteligente e pauta-se pela ironia e caricatura ao comum dos cidadãos e às situações comuns do nosso dia a dia. Poucos percebem e menos ainda acham piada ao que fazemos e passamos diariamente.
O anúncio do Montepio é uma critica aos políticas mas é uma caricatura muito mais feroz ao povo comum que em tabernas, nas esperas das consultas nos postos médicos, nas filas de autocarros ou comodamente sentados nos sofás com os chinelinhos calçados criticam sem saber bem o quê ou como criticar e ali ficam inertes sem nada fazerem. Falam, falam e pior do que dizer, não fazem nada!!

Boas festas a todos.

Olga Lopes

GoG disse...

ah... não me posso esquecer de desejar um natal dos melhores a toda a meia livraria que espero, para o ano, se complete em uma livraria inteira ( it's a joke ) :)

Mofo disse...

Para começar o Solnado e o Nicolau tiveram piada. É a mesma coisa que ver o Rocky agora, é ainda mais rídiculo do que na altura. E não se esqueçam que o Rocky, o primeiro, ganhou o Oscar (o que não quer dizer nada em relação à qualidade do mesmo).

O "eles falam, falam mas não dizem nada", eu sei o que é porque, por acaso, vi uma entrevista do RAP em que ele explicou essa tirada. Essa frase, bem como a maioria do discurso é uma conversa que o Marco, do 1º Big Brother, tem no confessionário. Tava chateado porque os outros concorrentes não trabalhavam dentro da casa, é só isto :) Não há gozo a políticos, não há intervenção social, não há nada. Tem graça, e isso é que importa.