domingo, maio 30, 2004

Aproveitamentos

Ainda não sabemos aproveitar esta coisa a que se chama internet. De resto, nunca é imediato o aproveitamento dos grandes desenvolvimentos tecnológicos dos Homens. Se, por exemplo, a vaselina, material conceptualmente bastante mais limitado que a internet serve para possibilitar a adequada descofragem de chapas selantes de resinas para colmatação de vazios entre tubos metálicos-guia de tirantes de pontes e respectivas chapas de posicionamento de ancoragens activas, que se poderá esperar de algo como a internet?

Para já, temos os blogues e o homebanking. Temos os chats e as webcams! Amanhã, quem sabe? Só Deus! E se Ele nos enviou a internet e a vaselina, por alguma razão foi. Deus é, aliás, conhecido por não dar ponto sem nó.

sábado, maio 29, 2004

O Grande Espectáculo

Quem se terá lembrado de organizar um grandioso festival de música nacional e estrangeira chamado "Rock in Rio" em Lisboa? O arraial realiza-se na Bela Vista, zona que ninguém conhecia e em cuja estação de Metro nunca ninguém tinha saído. Agora todos parecem saber onde fica a Bela Vista, fica em Lisboa, não no Rio de Janeiro! Possa! Muita gente ficou enganada!

Não admira. Com os cartazes por todo o país: "Grandioso baile! Rock in Rio! Abrilhantado pelo agrupamento musical Metallica", também eu ia. Infelizmente, a vida profissional impediu-me de o fazer.

Por isso, aguardo expectante pelo próximo festival "Woodstock"! Penso que será em Salvaterra de Magos.
Boas Vindas

É com alegria que dou as boas vindas ao Magnif, aquele que prevejo vir a ser o blogue mais sentimental e dengoso de todos! Visitem-no e preparem-se para a mais alucinante e trágica das viagens!

Bem vindo! Estarei, claro está, atento!

quarta-feira, maio 26, 2004

Viva o Futebol Clube do Porto

Após a final da liga dos campeões de futebol, fiquei com a alma dividida. Feliz, eufórico até, pela vitória do FC Porto, clube nacional com milhares de adeptos no Norte de Portugal e até algumas centenas no Sul. Fiquei triste pelo Mourinho, que vai agora dizer em todo o lado que ganhou a "champions". E que o "Dépor" eliminou a "Júvé" e por aí a fora.

De qualquer forma, fico contente pelas boas gentes do Norte. E pelo Derlei, pelo Carlos Alberto e pelo Deco! Pelo Alenitchev e pelo outro tipo, o sul-africano, o McCarthy. Enfim, por Portugal!

(Esteve aqui uma imagem durante alguns dias que o elementar bom gosto me obrigou a retirar.)
A Realidade e a Ficção

Ainda no âmbito do meu último artigo. reportando os recentes acontecimentos na democracia do Malawi, ficou por atirar o chavão: "A realidade supera sempre a ficção".

terça-feira, maio 25, 2004

Eleições no Malawi

O Meia Livraria quer dar os parabéns a Bingu wa Mathurika, homem da confiança do anterior presidente, Bakili Muluzi, pela sua vitória nas eleições presidenciais de quinta feira no Malawi. Bem haja!


Bingu

John Tembo, homem da confiança de outro antigo presidente do Malawi, Kamuzu Banda, foi assim derrotado. Foi, no entanto, Gwanda Chakuamba, da coligação Mgwirizano, quem mais barafustou, alegando estar na posse de resultados oriundos de fontes "credíveis e independentes" que lhe dariam uma confortável vitória.

Na dúvida, foram atacadas instalações do partido governamental na bonita cidade de Blantyre.

sábado, maio 22, 2004

De Quem Será o Mundo?

No próximo mês de Setembro realizar-se-á um dos Campeonatos Mundiais de Xadrez. Desta vez porá em contenda Vladimir Kramnik e Peter Leko. Não sei quem ganhará, mas adivinha-se um longo e sonoro bocejo, dado o estilo pouco aventureiro destas carinhas larocas!


Kramnik e Leko.

sexta-feira, maio 21, 2004

De Quem é o Mundo?

Passou-se no parque de estacionamento de uma grande superfície comercial de Coimbra esta história verdadeira que aqui se contará. Lança a dúvida, faz pensar e escolher, edifica e por isso, aqui vai!

Numa tarde de Março, uma senhora descarregava demoradamente o seu carrinho de compras para a mala do seu carro, no parque de estacionamento do hipermercado. Nisto, um mercedes novo, topo de gama, aguardava pacientemente pela operação. Escasseavam os lugares de estacionamento e, sem paciência para mais voltas, o condutor do carro luxuoso aguardava pela sua vez, assim se despachasse a senhora, assim estacionaria.

Sabe quem por lá anda, por estes parques, que obedecem a intrincadas, ainda que simples, leis de circulação, roda-se pela esquerda, não se volta atrás, enfim, tudo se encontra bem regulamentado, há que cumprir e assim o fazemos todos. Todos? Não!

Desrespeitando essas imutáveis leis de circulação, uma jovem senhora, conduzindo um veículo utilitário e apercebendo-se da saída de uma viatura do seu lugar de estacionamento, apressou-se a violar a regra, cruzando a via em sentido contrário, vindo a ocupar, num ápice, o lugar deixado vago pela precisa pessoa por quem o homem do mercedes aguardava, com a já revelada paciência, haveria seguramente uma dezena de minutos.

Espantado, o dono do carro luxuoso, observou a afronta, o flagrante desrespeito e, face à rápida saída da intrépida condutora, rumo à superfície comercial, se viu forçado a interpelá-la sonoramente: "Acha que fez um bonito serviço?". A audaz criatura, ouvindo semelhante berro, terá retorquido: "O Mundo é dos espertos!".

Há coisas que custam ouvir, seguramente a resposta da senhora custará a qualquer, mas o amigo do mercedes ficou verdadeiramente furioso! Quem não ficaria?

Sem uma palavra, o homem voltou ao seu bólide e pô-lo a trabalhar. Sob o olhar incrédulo da mulher que tinha o Mundo como coutada dos espertos, o homem manobrou de forma a afastar-se suficientemente do audacioso utilitário, tomou o devido balanço e acelerando numa violenta marcha-à-ré rebentou, num brutal impacto e com grande estrondo, parte da frágil viatura, partindo-lhe o eixo traseiro e forçando o pobre carro a caír desamparado, derreado sobre as suas rodas, tocando com o chassis no chão.

O mercedes pouco sofrera.

A senhora ficou inicialmente estupefacta para rebentar em prantos histéricos assim que sucedeu o contado. Findo o acto violento, o já acalmado dono do mercedes disse: "Minha cara amiga, o Mundo não é dos espertos, o Mundo é dos ricos!".

E completou: "Eu vou para casa no meu mercedes e você, ou vai a pé, ou vai de táxi."

quarta-feira, maio 19, 2004

Os Combustíveis

Nos piores momentos da história recente do Brasil, assistiu-se a fulgurantes aumentos de preço dos mais diversos bens. Inflações fantásticas e assombrosas desvalorizações diárias do cruzeiro, depois do cruzado, constituiam o dia a dia do gigante sul americano.

Em Portugal, 2004, as coisas são bem diferentes, a moeda é o euro, sólida, fortíssima. A inflação está controladíssima, quase acompanhada pelos aumentos salariais, enfim, os preços sobem ligeiramente, todos eles.

Todos? Não! Os combustíveis aumentam sulamericanamente! Esses escapam à normalidade, ao europeísmo aparente deste torrãozinho de terra! Esses, os combustíveis, lembram-nos o nosso eterno pézinho no terceiro mundo!
A Realeza

Um casal de espanhóis vai-se casar. Nas páginas de jornais de todo o Mundo aparecem reportagens interessantes sobre o acontecimento. Entrevistam-se os criados que servirão na Boda, Fulano Tal era apenas mais um criado de mesa de um simples restaurante madrilenho, agora será um dos criados da Boda, investigam-se roubos de aeronaves, não vão elas caír sobre o bolo de casamento com 150 kg, avalia-se a capacidade da noiva para ser raínha, seja lá isso aquilo que fôr.

E, no país republicano que é a Espanha, gastam-se os euros do povo no polimento de semáforos na rua por onde os noivos passarão. Onde serão seguramente recebidos em apoteose por um povo ocidental, europeu, civilizado, do século XXI. Um povo que gerou Cervantes e Unamuno, mas que ainda tem basbaques que cheguem para permitir esta ofensa à Humanidade, à Igualdade e à Democracia, este atentado a todos os valores conquistados em tantos anos de civilização, para permitir a maior de todas as ignomínias: A Monarquia. Que tem um irmão gémeo: O Servilismo.

E não faltarão basbaques lusitanos para salivar, acrítica e bovinamente, frente às pantalhas das suas televisões, mirando a Boda e ouvindo todos os significativos pormenores que a envolvem.
Literatura de Combate

O uso terapêutico das artes afigura-se-me como uma diminuição das mesmas, quer na sua dimensão nas Coisas dos Homens, quer na sua pureza conceptual, no seu fito maior, o sabido acrescentar Beleza ao Mundo.

Já nem falarei dos ridículos casos, por certo extremos, dos álbuns de música "clássica" organizados por temáticas tão tolas como música para relaxar, para pensar, para adormecer, em suma, para desgraçar a memória dos pobres compositores!

Mas, por outro lado, e esquecendo estes caricatos exemplos, há, sem dúvida, vantagens em usar a Arte. Por exemplo, ler obras como "O Conde d'Abranhos" de Eça de Queiroz sempre que nos julgarmos uns tipos importantes e dignos de ser levados a sério. Ajuda.

Alvitro: A Arte pode ser usada como uma ferramenta de aperfeiçoamento dos homens, mas deve disfarçá-lo, ou seja, deve querer ser algo, para poder ser outra coisa.

segunda-feira, maio 17, 2004

Imagens e a Dúvida

Sei agora como introduzir imagens no blogue! Mas assola-me a pungente dúvida: deverei sucumbir ante o facilitismo da côr e da bonecragem? Ou, mais sólido, mais conservador, ainda que mais pardo, mais clássico, dever-me-ei cingir ao texto simples?

Não sei. De qualquer forma porei aqui um boneco, mirá-lo-ei diariamente e logo se verá. Ora, então, cá vai:


quinta-feira, maio 13, 2004

Pobre Vivaldi

Que mal terá feito o pobre Vivaldi aos fabricantes de centrais telefónicas?

Por que raio punirão eles a memória de "Il Padre Rosso" transformando-lhe as populares "Quatro Estações" em gaitada foleira, destinada a entreter os pendurados ao telefone? Gaitada que, repetida ad nausea nos ensina a odiar a melodia e quase a rejeitar o desgraçado compositor?
Parabéns, Melga!

Foi com grande alegria que dei com a entrada do meu amigo fm3c na blogosfera! Visitem-no, ele é o Melga.

quarta-feira, maio 12, 2004

Falta de Hábito

Na minha condição de português, dou por mim espantado ao descobrir as grandes melhorias no blogger, pai deste e de muitos outros blogues. Tratando-se de um serviço "à borla", dar com destas evoluções faz de mim um português desconfiado. É falta de hábito. E vou preparando o cartão de crédito.

segunda-feira, maio 10, 2004

Na Rússia

Rebentam bombas em estádios, onde, no palanque das pessoas importantes, estão sentados líderes locais de pequenas terras com petróleo. Jorra o sangue, muito sangue, mas amanhã o filho substituirá o pai na liderança da terra com petróleo, tudo apadrinhado pelo Czar.

sábado, maio 08, 2004

Bem Vindos!

O Meia Livraria quer dar as boas vindas aos novos países da União Europeia! Bem vindos, países do báltico, Estónia, Lituânia e Letónia, refaça-se o império austro-húngaro, Hungria, República Checa, Eslováquia, Polónia e Eslovénia sejam bem vindas, e as ilhas, Chipre e Malta, vivam! E preparemo-nos para receber em apoteose os do Mar Negro, os muito civilizados e nada corruptos países da Roménia e da Bulgária!

E aguardemos com ansiedade a sexta fase da UE! Venham daí Ucrânia e Moldávia, Líbano e Israel, Marrocos e Tunísia! E o Togo, Chade e Uganda, Cabinda e Burkina Faso, ex-Alto Volta! Venham Perú e Tuvalu, bem vinda seja a Mongólia e Timor! A sempre europeia Turquia e o Irão? Já cá deviam estar!

Grouxo Marx nunca gostou de clubes onde aceitassem sócios como Grouxo Marx.

terça-feira, maio 04, 2004

Os Melhores da Europa?

Será que o FC Porto é o melhor da Europa? Será que Pinto da Costa é o melhor presidente de clube de futebol da Europa? E Mourinho? O que diz que o "dépore" eliminou a "dejubé", será que esse é o melhor da Europa? E Derlei, o "Ninja"? E Paulo Ferreira? E o Maniche, valha-me Deus, o Maniche? E o "português" Deco, campeão do "fair-play"? Serão estes os melhores jogadores da Europa?

Não admira que os americanos tomem conta disto tudo, com uma Europa destas!

segunda-feira, maio 03, 2004

E o José Cid?

Descobri, através do blogue Catu?, uma genial página que compila as 10 piores capas de álbuns. Vale a pena uma visita!

Falta, no entanto, o nosso José Cid. Alguém se lembra?

Agradecimentos para o lugar do costume.