sábado, março 19, 2005

A Fidalguia

Sou pouco dado a realezas e linhagens. Excepção feita aos evidentes "Rei dos Frangos", "Marquês dos Leitões" e "Rei dos Atoalhados de Campo de Ourique", pouca importância dou ao sangue azul. Sou, salvando os casos atrás expostos, perfeitamente republicano.

No entanto, ao assistir na passada quinta-feira ao jogo do Sporting, não pude deixar de admitir: Nos momentos especiais é a fidalguia quem decide. Por isso, obrigado Pedro Barbosa!

4 comentários:

LusoFin_oBlog disse...

vai, já podes escrever novo artigo :)

Quanto ao assunto da entrada, voltarei a ele na segunda-feira. Se for casdo disso, naturalmente ;)))

Anónimo disse...

Não posso deixar de recordar alguma realeza altamente relevante. A saber:

-O rei Negro, o da brasa (vendedor de lenha para lareiras na última rotunda do acesso à A1 em Alverca)

-O Emanuel, o legítimo rei da música dita "pimba"

-José Castelo Branco, o rei do Quintal dos ranhos... perdão, da quinta - precisamos de alguém suficientemente ridículo para que seja alvo da chacota nacional

-Elvis, o rei (they say he's alive)

-o saudoso Conde Barão e os seus armazéns

-o Rei do Sofá

etc...

Se me lembrar de mais alguém, "repostarei" neste espaço de são e alegre convívio cibernético.

Bem hajas primo :)

Z

Cláudio disse...

Ora aí está uma bela ideia! Venham mais sugestões! (Gosto da assinatura!)

rajodoas disse...

Apenas para desejar uma Páscoa cheia de coisas agradáveis. Com um abraço do Raul