segunda-feira, março 07, 2005

Fios

Apesar de não usar, talvez por me julgar indigno, gosto muito de fios. Em especial daqueles grossos, mesmo de prata, mas pesados e que se vejam bem. Daqueles que se envergam com orgulho por cima da camisa de manga comprida com cavalos desenhados à frente mal escondidos por uma malha quadrada, de furo apertado, divindo o pano em quadrados multicolores. Por cima dessas camisas, cintilante, brilha sempre o bem amado fio de prata.

Realmente incomum é o uso de corta-unhas pendurado no tal fio. Conheci um tipo, numa taberna, que trazia tal ferramenta pendente, qual talismã ou Nossa Senhora de PVC. Siderado, perguntei-lhe: "Para que traz o meu amigo um corta-unhas ao pescoço?" Misterioso, sorveu o resto do copo de vinho e respondeu-me, com os pequenos olhos brilhantes de orgulho e de vinho: "Deu-mo a minha esposa! E trago-o sempre comigo. Não reparou, mas esta pecinha aqui é de marfim, ou melhor, é de um material ainda melhor que o marfim!"

Sorvi também eu o meu resto de vinho e, espantado mas revigorado perguntei: "Isso não deve dar jeito nenhum para cortar as unhas, assim nessa posição?" A resposta, pronta e inesperada veio de seguida: "Paradoxalmente, são as unhas das mãos que me dão mais trabalho. As dos pés, com alguma ginástica, cortam-se bem. Além disso, cortam-se com menor frequência!" Pedi outro copo de vinho e reflecti na resposta, rendido à sabedoria do Homem que Usava um Corta-Unhas ao Pescoço.

4 comentários:

Santos Passos disse...

Magnífico.
(só espero que ele também não usasse o corta-unhas para aparar os pelos do
Ah. Deixa pra lá.)

Anónimo disse...

Está giro. Só não estou a ver um tipo de taberna, a beber copos de vinho e que usa fio de prata a utilizar nas suas conversas o termo "paradoxalmente"...
Mas, sou miope!!
Olga

Francisco disse...

Foste abatido pela Olga...

Cláudio disse...

Que gente preconceituosa! Não pode um goliardo expressar-se com elegância e fluidez?