terça-feira, maio 17, 2005

Aparição

Encostados ao balcão, dois goliardos olhavam gulosamente o enorme traseiro da moça que os atendera e que agora buscava num armário frigorífico as cervejas pedidas. Lambeu-se um, olhando para o outro, que, num esgar cúmplice, emitiu um pequeno grunhido. Por cima da máquina de café, repousava uma colecção de chávenas velhas, ladeadas por dois pequenos candeeiros de petróleo, há muito desactivados.

Quem entrasse pela porta da taberna e olhasse demoradamente para as chávenas ao centro do seu horizonte visual, veria, simétricos em relação a um imaginário eixo que dividisse a máquina de café a meio, um par de bêbados coroados pelos tais candeeiros a petróleo.

Aprofundasse o forasteiro a sua visão, tentasse ele entrar com os olhos pela parede, esforçando-se para ver o que do lado de lá houvesse, e os goliardos coroados pelos candeeiros juntar-se-iam, de forma aparente, no centro do seu campo de visão, sobrepondo-se.

Acender-se-iam então, numa ilusão que forçosamente se criaria no viajante, os candeeiros que agora eram só um. Brilharia sob essa luz a ébria e oleosa cabeleira agora unificada dos clientes, criando-se assim um clarão mágico, como um pedaço de âmbar circunscrito numa coroa de ouro e prata. Levantar-se-ia então a empregada, virar-se-ia, e, naquele divino enquadramento, tapar-se-ia na mente do forasteiro o dente incisivo que a moça não tem com um canino que lhe sobra e resplandeceria na face da menina, antes rubicunda, agora alva e marmórea, o mais belo e angelical sorriso que aos olhos humanos pode aparecer.

Soaria o curto grunhido dos goliardos a doce repenicar de violinos, puxando a alma e os olhos do forasteiro para a frente, na direcção da aparição miraculosa. Fora de enquadramento, à esquerda, um calendário deste ano, empilhado sobre o do ano passado, anunciando uma empresa de transportes, cargas e descargas, desfolhar-se-ia, rendido também ele à paragem do antes inexorável tempo, que era a sua única razão de existir.

4 comentários:

Francisco disse...

Escolheste uns bonecos giros para "aparições". E essa de "o forasteiro", cheira muito a viajante. Mas bom post, muito melhor do que o Togo. acho que deve ser o teu melhor...até agora, claro.

O Micróbio disse...

Pois, a "aparição" da ilustração do calendário devia ser bem mais "rubicunda"... :-)

olga disse...

Estou a gostar deste, Cláudio.
Ânimo para o resto... e olha, a taça UEFA também não é lá, como hei-de dizer, é pá o troféu...pronto. É grande e vale agum dinheiro e assim, mas também não é o mais importante, não é? O importante é que jogaram bem e são desportivistas e dominaram o jogo... O troféu tem lá agora alguma utilidade!

Santos Passos disse...

Bom. Muuuito bom.