sábado, agosto 13, 2005

Sensibilidade com Asas

Estendido no areal da Praia Grande, fitando a linha do horizonte fixa algures no Atlântico, Manuel, com ar concentrado e meditador, disse a sua mulher: "Deolinda, sabes que se formos pelo mar, sempre em frente, sem parar, chegamos à China!"

Espantada com a sabedoria do marido, Deolinda não deu pelo súbito levantar vôo de três enormes gaivotas a poucos metros de distância. Sobrevoaram parte da praia, rumando a Sul, viraram a Oeste, entrando no mar até darem a volta, deixando o Sol que se punha nas suas costas. Passando por cima do casal, a maior das três soltou uma volumosa massa quase liquefeita, nauseabunda, que acertou em cheio na face sonhadora de Manuel, apagando-lhe o cigarro que ele acabara de acender.

6 comentários:

O Micróbio disse...

Ironias do destino... lol... :-)

olga disse...

O titulo está o máximo depois de se ler o texto.

olga disse...

O titulo está o máximo depois de se ler o texto.

mfc disse...

Deixa lá... é reciclável.
O tal líquido... não o fiultro do cigarro!

Anónimo disse...

As história com cigarros parecem ser uma fixação. Qualquer dia, sei lá, começas a escrever sobre bebidas alcoólicas.

Francisco disse...

Apesar de estar de férias, tenho sempre tempo para deixar um pequeno comentário, no teu blog:"escreve mais!!!!".

Adeus e até ao meu regresso.