quarta-feira, outubro 19, 2005

A Época das Pandemias

Depois da época dos fogos, começa a época das pandemias. Agora temos a gripe das aves, tal como no ano passado, se bem me lembro. Antes tivémos o vírus Ebola, a febre aftosa humana, a gripe asiática (SARS), também a BSE, vulgo "doença das vacas loucas", em suma, um sortido de maleitas várias, fazendo anualmente, por alturas de Outubro, renascer o velho e sinistro espectro da Peste Negra.

Alimento indispensável ao imaginário colectivo das massas, o medo comum une e conforta as almas vulneráveis: Transforma-se o perigo real num sinistro e adorado folclore, numa catarse colectiva. Podem assim as gentes, agora soltas do espartilho moral que as obriga à integridade aparente, gemer e partilhar o eterno medo da morte, sempre mal resolvido por religiões e seitas várias. Ainda assim, bendita seja a Peste que a todos une em torno da Igreja!

Agora despoletou a verdadeira febre: Correm os aflitos às farmácias em busca da panaceia, do remédio, do preparado alquímico que os manterá vivos, num prolongamento às vezes doloroso da sua existência: Justificada, na própria fuga, pelo fim que adiam. Dilatam assim, esperançosos, o prazo de entrega das suas almas subnutridas ao Criador em que não acreditam.

3 comentários:

Furão disse...

Caro Cláudio:

É exactamente porque nem todos crêem no Criador que o negócio das Igrejas anda mal. A Religião já não é o que era. Por isso há que mudar de "clientes". É que nos criadores de vacinas todos temos mesmo que acreditar, não é? Melhores clientes não há, portanto!

Nem a Coca-Cola faria melhor!

Um abraço

Bina Ladina disse...

Já presenciei uma dessas pessoas aterrorizada na farmácia porque tinha comido uma galinha que tinha vindo da província:

- Eu ontem ao almoço comi uma galinha de fricassé e hoje não tou a passar nada bem. Ele é "caimbras", ele é esquecimentos, é as pernas fracas... sabe lá o meu inferno. Arranje-me lá disso pra mim e para a minha sobrinha que almoçou comigo e a coitadita ainda não me atendeu o telefone... Ela está mal de certeza, muito mal!
... As farmaceuticas já têm dinheiro suficiente não é preciso mais...
Eu tenho aquela teoria que essas porcaria são boato inventado pelas farmaceuticas.

spirito disse...

O mundo é composto de mudança, por isso sempre haverá um motivo de alarme generalizado.

Mas desta vez a coisa pode tornar-se de facto grave.

Mas aterrorizador mesmo, é a "Roche" ter sido obrigada a desistir da exclusividade da patente da vacina (vá lá saber-se a troco de quê).
Por vontade do seu conselho de administração, suponho, apesar da reconhecida incapacidade de fabricar as quantidades de vacinas necessárias, não estavam, num primeiro, momento dispostos a fazê-lo. É aterrorizador não é, o poder e a desfaçatez destes potentados.