quarta-feira, novembro 02, 2005

Ditosa Pátria

Ao balcão do que pensei ser uma pastelaria, cheia de espelhos e com balcão de vidro côncavo, com cadeiras e mesas lacadas de branco e rosa, ouvi um senhor dizer que tinha bebido cinco litros de vinho desde a hora de almoço. Faltavam poucos minutos para as sete da tarde.

Intrigado por semelhante discurso em tão elegante sala de chá, espreitei sobre o ombro direito e descobri, numa extremidade já em mármore do balcão, três cavalheiros que se batiam com minusculos copos daquilo a que se convencionou chamar "penalties". Tintos dois deles, o outro com mistura. A conversa continuava. O dono do estabelecimento disse ao tipo que se gabava de ter despejado o garrafão naquela tarde que o vizinho do outro bebia nada mais nada menos que dez litros num dia. Cinco de manhã e cinco à tarde, claro está. O primeiro insistia que não era água pé nem nenhuma zurrapa, era mesmo vinho o que havia bebido. Como o segundo insistia nos dez litros do outro, o primeiro rematou com um brilhante: "Eu antigamente despejava duas garrafas de licôr beirão depois de almoço!"

Saí do estabelecimento radiante por ser desta ditosa pátria. Que tais filhos tem.

2 comentários:

Anónimo disse...

Já te contei acerca do matulão que vi abraçado ao um gajo pequenino no "Bocas"...

Casalinha disse...

Pois é, mas senão fossem destes patriotas como andaria a Indústria Vinícola nos dias de crise de hoje... Verdadeiros Patriotas...