sexta-feira, novembro 04, 2005

O Coelho Xadrezista

Gente mal informada apelidava o Coelho de boçal, labrego, mafioso. Gozavam-lhe o "hadem ver", riam-se das suas gravatas, caçoavam das suas camisas e dos casacos azuis com botões de punho dourados! "Parece um revisor da Carris!", diziam, os chocarreiros!

E afinal, calam-se agora essas vozes! Descobriram no Coelho um homem de gostos requintados, um caprichoso xadrezista, nada de dominó belga na tasca em frente à estátua do ardina! Qual sueca! Este homem desvenda em tabuleiros de marfim os segredos de Steinitz e Chigorin! Com que volúpia repõe com as suas pesadas peças de prata os mágicos passos de Morphy ao som do Barbeiro de Sevilha! E ainda mais estará para vir! Em breve, os leitores hadem ver quem é o verdadeiro Coelho!

1 comentário:

Furão disse...

Só vendo, caro Cláudio, só vendo! Eles hadem procurar, mas o raio do tabuleiro não aparece...