segunda-feira, abril 24, 2006

A Escola e o Malhadinhas

Naquele que é um dos meus favoritos passatempos _ cheirar o Extreme Tracker em busca das buscas que ao Meia Livraria trouxeram os leitores _ arregalei os olhos incrédulos ao perceber que uma bela fatia dos que visitam este espaço o fazem na demanda por "Malhadinhas". Investiguei e descobri que essa obra de Aquilino é leitura obrigatória nas escolas!


Introdução ao Estudo de O Malhadinhas — 10º/11º Anos
De Fernando Ferreira e Júlio Macedo: Leiam "mas é" estes senhores...






Tenho então uma farta comitiva de estudantes em busca de recensões ao "Malhadinhas", cifrando eles, porventura, nas cibernéticas inquirições a esperança de fazer a cadeira sem ler o livro. Alerto-os, no entanto, para a insuficiência desses esforços, recomendando a leitura da obra de Aquilino Ribeiro ou, esteja a vossa alma defesa a tal empresa, a continuação da demanda: O texto que aqui se encontra é inacadémico em sumo grado e não será seguramente ao gosto da vossa stôra. De qualquer forma, apareçam sempre!

5 comentários:

Anónimo disse...

Depois do "Romance da Raposa" passei para o "Constantino Guardador de Vacas e de Sonhos" Alves Redol, foi depois de ter passado no exame da Quarta classe... claro.

Cláudio disse...

Foi com distinção, claro, que lá fez a sua quarta classe, caro Anónimo! Aposto que ainda sabe os rios e as linhas de comboio na ponta da língua!

E leu o Alves Redol... bem, deve ser de Vila Franca e ter cerca de trinta anos... Qualquer dia deixa de ser anónimo!

Bina Ladina disse...

Ó jovem Claudio...
Eu que andei no 10º do século passado não li "O Malhadinhas".
Era da vertente de 'humanísticas', mas sei que os meus colegas da vertente 'científica' tinham isso como obra obrigatória em Português no 10º ano...
Não me digas que tu, jovem Cláudio, eras de uma das reformas educativas que não contemplava essa obra???
E em modo de desabafo, eu tive que 'gramar' quase todas as obras e sonetos de Camões, Bocage, Almeida Garrett e companhia mas.. porque raios metiam os 'científicos' a ler "O Malhadinhas" e nós não :(
Sinto-me defraudada no meu percurso de Português de 'humanísticas' ...

Cláudio disse...

Pertinente observação, cara Bina! Eu, um dos "científicos", nunca fui oficialmente apresentado ao "Malhadinhas"... Estávamos então no remoto ano de 1987 ou 88. Acho que nessa altura ainda o Aquilino rebentava bombas para sacar os reizinhos do poleiro!

Anónimo disse...

That's a great story. Waiting for more. » »