terça-feira, maio 23, 2006

Bagdad

No sofá, sobre a protectora manta, o casal comentava as notícias que via na televisão. Um atentado em Bagdad com um bombista suicida a fazer-se rebentar na esquadra da polícia, levando com ele um par de dezenas de almas, ofuscava as outras, as de Alzira e Josué, levando-as a um transe de horror.

Já viste isto, Josué? O mundo está perdido! É verdade, Alzira! Estes árabes são maus como tudo, concordou Josué. Ai se esta gente cá chega! Não hão-de chegar! (Josué disse "hadem", mas destruiria o inegável interesse literário do Meia Livraria)

A notícia passou e, com ela, a preocupação naquelas almas. Olha lá, Alzira, já falaste com a tua prima? Já: ela vai a pé desde Sebornelho até Leiria e daí de joelhos até Fátima. Deus queira que lhe saia o euromilhões, concluiu Alzira.

3 comentários:

Uxka disse...

A esta eu chamo uma posta subtil. Finíssima!

Ana disse...

eu cá tomo a liberdade de felicitar pelo texto tao directo, e tal como se disse anteriormente, subtil que desenha, na sua totalidade, o povo português (e acredito que outros tantos josués e alziras espalhados pelo mundo fora).
gostei. vou voltar cá mais vezes.

Anónimo disse...

finite axiom taskforce geesjs hydrogen hooked shrank bibliography pacific pashley pocket
lolikneri havaqatsu