quinta-feira, abril 26, 2007

Liberdade

Muito se disse pela blogosfera sobre o dia de ontem. O 25 de Abril. Nada poderei acrescentar, nem sequer tenho um boneco com um cravo vermelho para aqui colocar. Mas não se confunda o leitor com a ausência de artigo e cravo no Meia Livraria: a própria existência deste blogue, e do seu, amigo leitor, onde diz o que lhe apetece, deve-se ao mais belo dia da nossa pátria: ao 25 de Abril, o dia em que o povo português ganhou a liberdade. Ao cabo de 831 anos de servidão a este e àquele.

3 comentários:

asn disse...

E eu que bem gostava de apreciar esse carvalho do Soito!
Eu, como leigo que sou em matéria de botânica, não posso garantir a idade daquele carvalho, mas as pessoas antigas da zona garantem que, com toda a segurança, terá mais de 1.000 anos. Não há dúvida que é muito tempo para uma árvore, mas também é certo que o carvalho é uma árvore de crescimento lento e muito resistente.
Viva o 25 de Abril, sem dúvida. Mas que há muita rica gente que se tem aproveitado à fartazana das suas carreiras políticas isso também me parece que não é de duvidar.

Eufrázio Filipe disse...

Talvez a despropósito não sejamos injustos com Marques Mendes- pelos serviços que presta ao país - apesar das dificuldades
felizmente temos os nossos bombos da festa -justamente.

Anónimo disse...

É pena que sobre o Pinto da Costa haja tanto para dizer e sobre o 25 de Abriltão pouco, apenas o trivial.
O Pinto da Costa tem a importância que tem porque, como se comprova aqui e ali, estamos sempre a falar dele.

RR