segunda-feira, abril 07, 2008

Ratos Sedentos

O Rato Sedento encontrou uma pedra vermelha. À noite, ouviu o uivo do Cavalo Velho, atroz como o guincho do Mocho Curvo. Rápido como a Lebre Amarela, pegou na pedra, saltou o riacho ululante, com duas das patas num lado, as outras no outro. Chiou de felicidade quando a Árvore Sem Folhas deixou passar os raios do Sol que Queima a Vista acabado de nascer pela duocentésima vez naquele ano (que agora finava). Entretanto a Matreira Cigarra aguardava pela luz da aurora para render a Sonolenta Formiga. O Rato Sedento, ainda feliz, ajeitou a pedra vermelha que lhe faria guarda todo o dia (sempre e só do lado de cá do riacho) e deixou que o Orfeu dos Ratos o levasse às portas de um miraculoso Hades, onde não chegaria a entrar. O Hades, assim à porta, é aprazível, pensou a pedra vermelha.

2 comentários:

Anónimo disse...

Já pensou em escrever um livro para crianças? Do género do Romance da raposa do aquelino Ribeiro. Pense nisso. Considero que tem algum talento para fazer o jogue-jogue entre os animais e o meio envolvente. A formula de sucesso que tem grande impacto no público infantil, sobretudo juvenil.

um abraço
VCastilho

Cláudio disse...

Infelizmente, as edições de autor não são baratas... além disso, fraco Romance da Raposa seria...