quinta-feira, agosto 21, 2008

Pega de Caras

Não gosto particularmente de toiradas, nem sequer de triplo salto. Mas gostei de ver o Nélson Évora virar o ombro à pista de saltos, segundos antes de conseguir o ouro: virou-lhe o ombro, como forcado que chame um toiro bravo na arena. Repararam? Só o fez no salto vencedor.

2 comentários:

Luís de Barreiros disse...

Ok... Nelson Évora...
Mas,os jogos de Pequim, entre muitos outros «monumentais» (?) espectáculos de hoje em diversos locais do mundo, dão-me a impressão de serem um mero forjamento. Um forjamento empolado, qual vazio que mais parece disfarçar um «cheio» meramente pletórico porque somente auto-especulativo.
Veja-se o exemplo aberrante da criança que canta, que tem uma voz extraordinária, mas é substituída por outra, cuja beleza é mais adequada à cena... Beleza estereotipadamente reforçada pelo contexto e pelas abjectas condições puramente simuladas. Vejam-se os fogos de artifício simulados. Vejam-se as massas manipuladas (contratadas) para darem «alegria» entre os povos. Etc...

Veja-se o desfasamento horroroso entre o nível de vida e de civilização (?) entre algumas populações chinesas.
Veja-se, por exemplo, o monstruoso e megalómano aeroporto construído cuja superfície coberta alberga cerca de uma centena e meia (mais coisa menos coisa, pouco importa) de estádios de futebol.
Leia-se já agora o interessante artigo no 'Público' de hoje escrito por V.P.Valente acerca dos jogos de Pequim.
Etc...

Pedro Lagareiro Santos & Domingos Lobo disse...

(...) Veja-se se se arranja para aí uma caminha para descançar. Isso sim, umas das mais valiosas declarações de um "embaixador" da nação. Pequim dá sono...