sábado, agosto 30, 2008

Carros e Carrinhos

Eis uma sugestão para os fabricantes de carrinhos de bébé: incorporem espigões de aço afiado na parte lateral dos carrinhos. Assim, quando o manobrador do carrinho tentar passar pelo passeio infestado de carros, pode deixar a sua marca na pintura do automóvel passando uma justa mensagem de desagrado pela errada interpretação que alguns automobilistas fazem da missão dos passeios deste mundo!
Que tal? Chicco? Babycoiso? Vamos a isso?

quinta-feira, agosto 28, 2008

Cozinheirices

Só a custo não adicionei um pouco de vinagre balsâmico e uma pitada de pimenta ao biberão da minha filhita.

quinta-feira, agosto 21, 2008

Pega de Caras

Não gosto particularmente de toiradas, nem sequer de triplo salto. Mas gostei de ver o Nélson Évora virar o ombro à pista de saltos, segundos antes de conseguir o ouro: virou-lhe o ombro, como forcado que chame um toiro bravo na arena. Repararam? Só o fez no salto vencedor.

quarta-feira, agosto 20, 2008

A Escolha do Seleccionador

Sábia escolha, a de Queirós, para seleccionador. O ritmo de assassinatos na África do Sul é demasiado elevado. Ainda mais elevado que os 50 mil no Brasil por ano. Com Queirós no banco da selecção (e com Moutinho também no banco), garante-se a segurança dos nossos jogadores. Livram-se desses países perigosos.

domingo, agosto 17, 2008

Olímpicos Recordes

Os nossos rapazes e raparigas da natação estão em grande nos Jogos Olímpicos de 2008! Já foram inclusivamente batidos alguns recordes nacionais. Pena é que esses feitos não tenham chegado para que os nossos nadadores cheguem sequer às meias finais.
Por favor, Sr. Mao, corrija desde já essa injustiça! Faça com que os participantes que, no cubo de água de Pequim, batam records do seu próprio país possam nadar na fase seguinte da prova! Se for caso disso, dê um jeito na concorrência... Não sei se ainda é o Sr. Mao que manda na China, mas, se não for, fale com o responsável. Um abraço (ainda não acabei de ler o livrinho vermelho... só o da FIDIC!).

quinta-feira, agosto 14, 2008

A Refém de Bancos e o Saquito do Dinheiro

Nos últimos noticiários da SIC (tive oportunidade de ver o de ontem, à hora de almoço, em frente a uma das famosas francesinhas de Rio Maior) tem aparecido uma insólita figura, com um não menos insólito cabelo: a Senhora Doutora Refém dos Bandidos Brasileiros.

Mal consegui tragar a francesinha, tamanha era a petulância (que tão bem dizia com o cabelo da Senhora Doutoura), tamanha a tibiez de argumentos e historieta, tamanha a afectação no linguajar, e tamanhos os assobios que a Senhora Doutora emitia ao falar. Sempre tive dificuldades em lidar com pessoas que assobiam ao falar, é certo, mas aquela Senhora conseguiu irritar-me mais do que uma dezena de crianças a correr e a guinhar em biblioteca faria.

Muito injustiçada por não conseguir fazer as suas paciências ("sabe, eu costumo fazer umas paciancias..."), e por ninguém da PSP ou PJ a ter ajudado em tão difícil (deficele) momento, muito traumatizada com a putativa perda do seu putativo saquito do dinheiro, que, afinal, nem era problema, o banco tinha pago o que a Senhora dizia ter no saquito que dizia ter! Após largos minutos a explicar a aventura do saquito do dinheiro, que esperava o telespectador? Que os malvados do banco tivessem usado o dinheiro da Senhora para custear a lavagem dos tapetes do sangue e mioleira dos assaltantes (sabe deus o que isso custa a sair)... mas não! Nada disso! Afinal a Senhora não ficara sem o dinheirinho... Afinal o que queria essa Senhora? Já sei! Queria mostrar o seu lindo cabelo e os seus dotes de assobio. Lembrei-me do "Bom, o Mau e o Vilão" e daqueles assobios fantásticos. Afinal, ainda valeu a pena a Senhora Refém vir à SIC. Que deus a salve e guarde, a ela, ao seu saquito do dinheiro (ou "dinháiro", como a Sr. Dr.ª pronuncia) e ao seu magnífico cabelo!

K